A Substituta

 

Na tarde posterior tudo corria igual e ainda era cedo quando uma nova professora se apresentou na pequena escola acompanhada de toda a papelada burocrática necessária para iniciar as suas atividades no lugar de Maria, o que a documentação fria e impessoal não respondia era o porquê de todos, menos para Leonardo que de pronto imaginou ser o causante da mudança repentina em seus pensamentos perdidos em silêncio algo que não havia acontecido até a sua chegada a aquela pequena comunidade escolar, de que foi a sua declaração de bem querer a moça que motivou o afastamento da bem querida colega foi só o que passou por sua mente mesmo durante a aula de letras e literatura daquela tarde a sua turma que por coincidência tratava do imortal Camões…

“Amor é fogo que arde sem se ver;

É ferida que dói e não se sente;

É um contentamento descontente;

É dor que desatina sem doer.

 

É um não querer mais que bem querer;

É um andar solitário entre a gente;

É nunca contentar-se de contente;

É um cuidar que se ganha em se perder.

 

É querer estar preso por vontade

É servir a quem vence o vencedor,

É ter com quem nos mata lealdade.

 

Mas como causar pode seu favor

Nos corações humanos amizade;

Se tão contrário a si é o mesmo amor?”

aquele Plus a mais que só os beneméritos professores dão sem cobrar a mais, aquele toque de Midas ofertado de graça, a evangelização do saber pregado sem cobranças, aquele “quê” a mais que apenas os poucos abnegados e ainda não entregues a rotina dos afazeres o fazem, mas nesse momento o único tocado em seu amago pelas palavras de tão distante e tempo e local escritas foram o próprio professor que como um golpe o atingiu a ele mesmo e aconteceu aquele segundo mágico de silêncio em que se passa tudo por nós, aquele segundo de fuga interior em que pensamos no tudo, no todo e em todos mesmo que seja uma única pessoa em nosso pensamento e por sorte poucos notam isso quando alguém o faz e foi o caso, a aula prosseguiu como se dentro de Leonardo não existisse uma verdadeira guerra emocional fazendo jus ao seu sobrenome mesmo que solitária e só sua naquele momento, afinal de contas ele sentia toda a solidão que só quem está apaixonado pode sentir e foi essa solidão que substitui toda a euforia que ocorrera desde a declaração.

ᵒ ᵒ ᵒ ᵒ ᵒ

<<<Crime e Castigo | Encontros e Desencontos >>>

Anúncios

Uma resposta para “A Substituta

  1. Pingback: Crime e Castigo | Quando estiver só...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s